domingo, 30 de agosto de 2015

Mais uma vez as políticas do ensino no meu País


No fim desta legislatura, o Ministro Nuno Crato deixa sem colocação mais uns  largos milhares de professores.
Não fazem falta.
Parece que desta vez apostou atempadamente no pessoal de limpeza...
Os curricula estão cheios de incongruências, mas para quê falar disso?
 Nuno Crato abateu onze mil professores ao quadro

 Os quadros do Ministério da Educação e Ciência (MEC) ficaram com menos 10 909 professores em quatro anos. Desde 2011, ano em que o governo da coligação PSD--CDS entrou em funções, reformaram-se ou rescindiram com o Estado um total de 15 106 docentes, enquanto as entradas nos quadros se ficaram pelas 4197. O contingente de professores nas escolas é reforçado anualmente por contratações como a dos 3782 colocados na sexta-feira, e os cerca de 2100 horários que ainda vão a concurso a partir de quinta-feira.A quebra do número de professores quer nos quadros quer contratados (que chegaram a ser mais de 17 mil em 2010-2011) não pode ser dissociada da redução do número de alunos: menos 215 mil desde 2010-2011. O que faz que a regra da contratação da função pública - de que por cada dois funcionários que saem entra um - não se aplica na educação. Neste momento, por cada três professores que saem do sistema, entra um.

Sem comentários: